Arquivo da tag: eletronico

Crystal Fighters – Star of Love [2010]

CF-Star of LovePrimeiras impressões pesam. Quem ao ouvir ‘I Love London” na oitava Kitsuné Maison Compilation imaginaria que algo bom sairia daquela banda com vocal repetitivo e som comum? E além: algo que poderia esmagar a opinião formada de cara!?
“Ninguém” seria a provável resposta para a indagação acima. Provável mas errada.

Continuar lendo

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Comentando

Telepathe-Dance Mother [2009]

telepathe-dance-mother

Experimental é tudo que não se encaixa em algum gênero existente mas não é definível o suficiente para tornar-se um novo. O duo novaiorquino Telepathe encontra-se neste meio, junto de mais um “E”, o eletrônico. Um eletrônico experimental cheio de sons aleatórios e vozes, aonde cada um elemento tem a sua importância, sendo até mesmo impossível separá-los. A cada faixa uma surpresa é aguardada, já que este é daqueles albuns que podem ser tudo, menos previsível.

A recepção é muito bem-feita com “So Fine”, um eletrônico daqueles que caem bem tanto numa pista quanto num Ipod e já deixa bem claro que assim será o resto do disco. “Chrome’s On” e “Devil’s Trident” vem a seguir, criando uma sequência de um denso eletrônico e afirmando os traços que serão mais frequentes em Dance Mother. “In Your Line” já tem um aspecto diferente, como uma luz acendendo-se permanentemente aonde haviam lâmpadas oscilantes. Contudo,”the ‘Lights Go Down’ ” e as coisas voltam para a atmosfera misteriosa do começo — e isso não é algo ruim.

Logo chega a doce (?!) e envolvente “Michael”, tomando um rumo diferente das anteriores e serve como um reânimo à desnecessariamente longa “Can’t Stand It” (que chegou até a tirar meu interesse do album por alguns instantes).

As brilhantes “Trilogy – Breath of Life, Crimes and Killings, Threads and Knives” e “Drugged” encerram uma ótima composição, que como quase tudo poderia ser melhor, não fossem algumas quedas de ritmo levemente frustrantes. Dance Mother é, assim como grande parte dos experimentais, um disco a se odiar ou amar; não possui músicas com potencial radifônico, não; porém se aproveita de um caminho que vem se popularizando no tão saturado setor musical: a reinvenção e redescoberta que juntas estão construíndo uma nova forma de música, liberta de gêneros e dos gostos populares.

Tracklist

  1. So Fine
  2. Chrome’s On It
  3. Devil’s Trident
  4. In Your Line
  5. Lights Go Down
  6. Can’t Stand It
  7. Michael
  8. Trilogy:Breath of Life, Crimes and Killing, Threads and Knives
  9. Drugged

Vídeo: So Fine

Deixe um comentário

Arquivado em Comentando