Primeiro semestre

Adoro fazer listas, embora enumerar seus itens seja uma coisa que me desagrada, tanto quanto dar notas a coisas. Já tentei fazer listas ordenadas, mas no fim algo soa errado. Números não são tão expressivos para mim. Às vezes, utilizo-os como simples forma de organização, nada mais.

Deixando itens pessoais de lado, estes primeiros meses de 2010 d.C mostraram-se realmente bons musicalmente. No ínicio do ano, dispus minhas expectativas aqui mesmo acerca de lançamentos anunciados e algumas coisas que aguardava esperançosamente. Algumas até ganharam comentários aqui (como Husky Rescue e Crystal Castles) , outros apenas foram ouvidos — em exaustão até –, sem que minha opinião transcrita fosse. Agora, seis meses após o post, já é tempo de se produzir um levantamento.

’08’s revival?

Desde o ano passado surgia uma sensação de que um dos bons anos musicais da década fosse voltar, graças à massa de artistas debutantes daqueles idos que anunciaram lançamentos para 2010. Um dos primeiros a lançar foram os estadunidenses do Vampire Weekend, que em janeiro, após algum tempo de enrolação, liberaram o Contra e suas ótimas 10 faixas. Este segundo disco me fez olhar o VW de outra forma e finalmente entendi melhor o que tanto viam neles, coisa que com o debut de dois anos atrás ficou meio vago para mim. Dou destaque à suavidade que Contra possui.
Todavia, o que realmente me entusiasmou foi a volta de duas das minhas bandas favoritas: Crystal Castles e MGMT. Ambos mudaram suas sonoridade em diferentes escalas:enquanto o primeiro deixava o clima festeiro e descompromissado para migrarem à algo mais maduro e singular, o outro mudou naturalmente de rumo, como um barco à vela.

A nova empreitada de Andrew e Ben foi recebida como uma drástica mudança por alguns, mas não houve nada abrupto. Vale a pena voltar lá no debut, Oracular Spectacular, e notarmos que, mansamente, as músicas encaminham para o horizonte numa jornada que se inicia nas artificiais Time to Pretend, Kids e Eletric Feel e vai naturalizando a medida que os sintetizadores deixam de agir em evidência e um agradável psicodelismo
nos envolve.Congratulations soa como uma progressão natural dessa viagem, que como importante ponto de passagem teve o single Metanoia e seus quase 14 minutos de um boas-vindas para o que se seguiu a ele:nove músicas belamente produzidas e mesmo que imprevisíveis e sem qualquer padrão, constituem um disco fácil, destes para se ouvir várias vezes seguidas.

Facil é uma palavra que exige cuidado ao ser empregada no segundo Crystal Castles. Enquanto Celesticas e Years of Silence mostram-se inonfesivas e açucaradamente pops, outras Doe Deers e Faintings Spells assustam os despreparados. Mas o homônimo comentado nesse post mantém-se equilibrado entre esses dois extremos, às vezes sobre uma ponte estável, às vezes numa corda trêmulante.

Let’s get started

Se 2010 marca alguns retornos, o mesmo é a maternidade de notáveis.

Delphic é uma daquelas bandas tidas como futuristas, mas que na verdade nos situam no tempo mostrando-nos que o futuro é agora. A obra de estréia leva o nome de uma das mais interessantes faixas eletrônicas do ano, Acolyte,que percorre  uma extensão de nove minutos (que mais parece quatro), marcada por uma crescente de intensidade quase sistematica. A banda britânica foi uma das aposta da BBC para 2010, assim como Marina and the Diamonds e Ellie Goulding.Mais uma banda que deu as caras há pouco foi o Two Door Cinema Club. Boa banda até que é, mas não passa aquele sentido de novidade, sendo facilmente comparável à bandas que traçaram o repertório indie dos anos 2000. O curioso We Are The World tinha tudo para ser uma banda que me agradasse: musicalidade abstrata, preocupação visual e um toque soturno.Mas estranhamente suas músicas são secas,falta algo nesses norte americanos que ainda não descobri o que é. Teorizo que o problema esteja na voz:não é ruim, mas está deslocada na proposta das músicas por ser muito palpável, beirando o comum. Não é nada novo, mas o primeiro álbum solo de Jónsi Birgisson, do Sigur Rós, merece menção honrosa aqui. Cada música de Go parece ter vida. Não tem como separar instrumental e voz – tudo funciona como um único ser. com certeza este é um dos álbuns mais impressionantes que já ouvi.

Mais e mais

Outros destaques de 2010:

The Bird and the Bee -Interpreting the Master Vol. 1: a tribute to Daryl Hall and John Oates
Mais um bom álbum da dupla americana.Desta vez fazendo releituras, Inara George e Greg Kustin trazem os anos setenta de volta, mas sob uma roupagem nova, nada com muita cara de revival.Este é o primeiro volume da série Interpreting the Masters e por enquanto não há nada confirmado sobre os próximos, que, espero, sigam a linha de qualidade deste.
Scissor Sisters – Night Work
Pegue os dois álbuns anteriores e junte o que há de mais glam, dançante e, por que não, safado deles. Provavelmente sairá algo próximo de Night Work. O nome e a capa deixam claro que nenhuma “Land of a Thousand Words” ou “Mary” aparerecerá para te deixar tomar fôlego, são 45 minutos de Night Party.

Christina Aguilera – Bionic (!)
O título mais correto seria “meio Bionic”, pois infelizmente apenas parte dele é interessante.O começo é realmente instigante: “Bionic”, se fosse um pouco mais suja, poderia até ser confundida com uma música da M.I.A., que aliás assina a letra e parte do vocal de “Elastic Love”, melhor faixa do disco.Até “Glam” Bionic é bom. A partir daí, seguem-se faixas tediosas, realmente Aguileras.Depois de várias faixas algo interessante parece surgir: “My Girls”, que anima no começo mas logo se perde e “Birds of Prey” (edição deluxe),mais uma das boas que nem parecem ser da Christina.

Husky Rescue – Ship of Light
Mais um dos meus preferidos. Confesso que não é tão cativante quanto os álbuns anteriores da banda, mas ainda assim mantém o altíssimo nível. Mais comentários aqui.

M.I.A. – /\/\/\Y/\
Criticador, bipolar e forte. Esse é o terceiro álbum da cingalesa que só agora fui descobrir o potencial.Não tem aquela facilidade de Arular e não é feito para agradar como o Kala. Há raiva em todas as músicas. É extremamente instável:uma tresloucada Teqkilla se torna a controlada Lovalot, a mais-do-que-furiosa Meds and Feds é logo substituída pela melodia amável de Tell Me Why. Os singles desse álbum enganam facilmente,nada é parecido nele.

Ainda faltam pouco menos de 6 meses para o término do ano, e até lá, claro, muitas coisas serão lançadas e anunciadas. Esperemos um reflexo desses primeiros meses nos próximos que se seguem.

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

Uma resposta para “Primeiro semestre

  1. Davi

    Continua com os posts!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s